Com 17 mil perícias atrasadas, polícia vive crise pior do que disse Doutor Rosinha

“Mais de 10 mil” é insuficiente para descrever a crescente fila de perícias pendentes na computação forense da Polícia Científica

Segurança Pública

José Lázaro Jr.
2 minutos

“Há mais de 10 mil celulares e computadores que tem que ser analisados [pela Polícia Científica], e que não tem técnico para analisar isso. Aí não esclarece os crimes”, disse Doutor Rosinha, do PT, durante debate no jornal “Gazeta do Povo”.

Mas, nesta semana, a fila de espera na seção de computação forense da Polícia Científica chegou a 17.755 requisições de perícia. São aparelhos celulares, discos rígidos de computadores e outros dispositivos digitais. Por isso a declaração do candidato petista ao governo do Paraná foi considerada subestimada.

O Truco nos Estados – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito no Paraná em parceria com o Livre.jor – acionou o Sinpoapar (Sindicato dos Peritos Oficiais e Auxiliares do Paraná) para atualizar os dados.

Foi a entidade quem trouxe a público o problema, em maio, expondo a falta de quadros na Polícia Científica do Paraná.

Em maio, 16.967 requisições aguardavam exames periciais. Eram 1.398 na fila chamada de “prioridade absoluta” (necessários para a elucidação de casos envolvendo menores de idade, infratores ou vítimas) , 1.839 na “prioridade legal” (relacionados a casos nos quais ou o réu já está preso, ou situações de violência contra a mulher enquadradas na Lei Maria da Penha, ou processos levados ao Tribunal do Júri, ou envolvendo idosos) e 13.730 no fim da fila.

Foram esses números que ganharam a imprensa regional, cujas notícias a assessoria do candidato disse ter embasado o comentário do Doutor Rosinha. De lá para cá, apesar da denúncia, a situação piorou. Já são 17.755 perícias atrasadas, sendo 1.406 de prioridade absoluta, 2.053 de prioridade legal e 14.296 na fila geral. A consulta a esses dados está disponível na internet, mas é preciso possuir um número de identificação para acessar as informações. Por isso o Sinpoapar foi consultado.

Pra zerar a fila, cinco anos – O sindicato fez uma conta para descrever a gravidade da situação. Para zerar a fila existente hoje, diz, desconsiderando qualquer caso novo, em até cinco anos, a entidade calcula que seriam necessários 32 peritos trabalhando na unidade de Curitiba (que concentra 90% das análises da computação forense). Hoje, ali, são só nove.

Dizem os peritos da Científica que o exame de um celular demora, em média, seis horas. Periciar um disco rígido de computador, 30 horas. Ou seja, se a fila de “prioridade absoluta” tivesse hoje só celulares, seriam necessárias 8.334 horas de trabalho. Mas ali há também computadores e outros materiais. Sem contar outras áreas de atuação da polícia, como a Balística, igualmente debilitadas.

Desempregado ou não, Ratinho foi vereador em Jandaia do Sul de 1977 a 1984
Ratinho Júnior - PSD
Desempregado ou não, Ratinho foi vereador em Jandaia do Sul de 1977 a 1984

Ratinho Júnior disse que pai se mudou para Curitiba por estar desempregado. Mas nos anos 1980 Câmaras do interior já pagavam vereadores

De cada três potenciais doadores no Paraná, um tem os órgãos destinados a transplante
Cida Borghetti - PP
De cada três potenciais doadores no Paraná, um tem os órgãos destinados a transplante

Paraná cumpriu a meta de doação de órgãos em 2016 e 2017. No ano passado, proporcionalmente à população, foi o melhor estado no ranking nacional

Geonísio erra ao afirmar que escolas militares dobraram Ideb de Roraima
Geonísio Marinho - PRTB
Geonísio erra ao afirmar que escolas militares dobraram Ideb de Roraima

Estado é uma das sete unidades da federação que teve queda no ensino médio no país

PR Candidatos - Paraná