Paulo destaca queda dos homicídios, mas realidade ainda é alarmante

Afirmação feita pelo governador, apesar de usar dados corretos, não reflete a realidade da segurança pública do estado em uma análise mais ampla

Segurança Pública em Pernambuco Segurança Pública

Raíssa Ebrahim
5 minutos

Pelo sétimo mês consecutivo, o número de crimes letais intencionais caiu em Pernambuco” – Paulo Câmara (PSB) em postagem no Facebook no dia 13 de julho

O governador e candidato à reeleição pelo PSB usou sua página oficial no Facebook para destacar a recente queda nas estatísticas de homicídios em Pernambuco. Procurada pela equipe do Truco nos Estados – projeto de fact-checking da Agência Pública, feito em Pernambuco em parceria com a Marco Zero Conteúdo – a assessoria do candidato informou que os dados foram coletados no site da Secretaria de Defesa Social (SDS) e que a queda refere-se a comparação com o mesmo período do ano anterior.

De acordo com os arquivos da SDS, o número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) realmente caiu consecutivamente nos últimos sete meses, entre dezembro de 2017 e junho de 2018, comparados com o período entre dezembro de 2016 e junho de 2017. Comparar com o mesmo período do ano anterior é a maneira mais adequada para esse tipo de análise. Essa informação é importante porque se o recorte de queda fosse feito mês a mês a afirmação de Paulo Câmara estaria errada, já que entre dezembro de 2017 e janeiro de 2018 o número de homicídios cresceu no estado (395 x 452).

Mesmo usando dados corretos, lida isoladamente a frase postada no Facebook de Paulo Câmara sugere um cenário na segurança pública do estado que não pode ser confirmado quando a questão é observada de forma mais ampla. Os índices ainda são elevados se comparados com a série histórica de ocorrências desde o início da atual gestão (janeiro de 2015) e, principalmente, desde o início do Programa Pacto Pela Vida (maio de 2007). Por isso, a afirmação recebe o selo “Sem contexto”.

As estatísticas mostram que a segurança pública é um ponto frágil do governo Paulo Câmara. Desde 2014, último ano da gestão Eduardo Campos (PSB), os números da violência cresceram ano a ano em Pernambuco até explodirem em 2017, quando 5.426 pessoas foram assassinadas no estado. O resultado marca o pior período da história desde que esses dados começaram a ser compilados (2004).

Na postagem, o governador também cita que “o mês de junho de 2018 recuou 12% no comparativo a junho de 2017 e se tornou o mês com menos homicídios em uma série histórica de 2 anos”. A afirmação, de acordo com a checagem do Truco no portal da SDS, também está correta, apenas destacamos o percentual não arredondado (11,6%). Mas quando ampliada a série, junho de 2018 aparece como o segundo pior “junho” desde, pelo menos, 2010 (os números anteriores a essa data estão indisponíveis no portal da SDS).

Número de CVLIs em Pernambuco (Janeiro 2015 a Junho de 2018) Fonte: SDS/PE

Apesar das reduções, a violência em Pernambuco continua muito alta. De janeiro a junho deste ano, foram assassinadas um total de 2.279 pessoas, sendo 1.266 no interior e 1.013 na capital e Região Metropolitana do Recife.

O Pacto pela Vida completou sua primeira década, em 2017, sob fortes críticas. O programa de política pública de segurança teve início em maio de 2007, ano que terminou com um total de 4.592 homicídios, patamar bem próximo do de 2016 (4.479), um ano antes de completar seus 10 anos, quando a quantidade de crimes violentos letais explodiu para 5.426.

No contexto nacional, os dados da violência em Pernambuco também são preocupantes. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018 (que trabalha com dados de 2017), produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em 2017 a taxa de homicídios em Pernambuco era de 57,3 por 100 mil habitantes. Esse número foi bem acima da taxa nacional, que ficou em 30,8 por 100 mil habitantes no mesmo período, com Pernambuco ocupando a quarta colocação no ranking de estados mais violentos do país. O resultado do Estado só foi melhor que o do Rio Grande do Norte (68), Acre (63,9) e Ceará (59,1).

Em 2014, último ano da gestão de Eduardo Campos, o Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostrava Pernambuco em uma situação melhor, quando ocupava a décima primeira colocação entre as unidades da federação mais violentas, com uma taxa de 37 por 100 mil habitantes contra 29 do Brasil.

Ao ser informada o resultado da checagem, a assessoria de Paulo Câmara respondeu da seguinte forma:

“A afirmação do governador Paulo Câmara de que Pernambuco estava no sétimo mês consecutivo de redução da violência está absolutamente correta, como foi demonstrado pelos números oficiais, já informados a Marco Zero. Na próxima quinta-feira, os dados oficiais do mês de julho mostrarão que o estado entrou no oitavo mês consecutivo de redução (dezembro de 2017 a julho de 2018),

A média diária de CVLIs em 2018 está abaixo da registrada em 2006 (governo Mendonça Filho) e abaixo da anotada no primeiro ano do Pacto pela Vida (2007). Não só os números de crimes contra a vida estão em queda, como também os de crimes contra o patrimônio, em todas as modalidades como assaltos a ônibus e bancos.

Para medir qualquer tipo de comportamento estatístico se compara um período com o mesmo período imediatamente anterior. E não com o melhor ou o pior período da série histórica. Dessa forma, discordamos da análise desta publicação que classifica a afirmação do governador como : “sem contexto”.

Atenciosamente,

Coordenação de campanha do candidato Paulo Câmara”

Desemprego no Brasil cresceu quando Armando era ministro, mas não foi o maior da história
Paulo Câmara - PSB
Desemprego no Brasil cresceu quando Armando era ministro, mas não foi o maior da história

Candidato do PTB comandou a pasta da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, entre janeiro de 2015 e maio de 2016, durante o governo de Dilma Rousseff

Danielle Portela erra ao falar sobre piso dos professores de Pernambuco
Danielle Portela - PSOL
Danielle Portela erra ao falar sobre piso dos professores de Pernambuco

A candidata do PSOL criticou o governo por não pagar o valor mínimo previsto de R$ 2.455,35 a todos os professores do estado, mas não levou em conta a questão contratual

Armando usa dado correto ao falar do cenário fiscal de Pernambuco
Armando Monteiro - PTB
Armando usa dado correto ao falar do cenário fiscal de Pernambuco

O estado deixou R$ 1,5 bilhão de restos a pagar em 2017, 23,5% a mais que em 2016

PE Candidatos - Pernambuco