Endividamento em Curitiba beira os 90% desde 2011; pesquisa é feita só na capital

Quando João Arruda, do MDB, fala de endividamento usa dados referentes somente à capital. E que estão nesse patamar há oito anos.

Crise econômica Economia

José Lázaro Jr.
3 minutos

“Graças à turma do Richa, quase 90% das famílias paranaenses estão endividadas, contra uma média nacional de 56%. São números assustadores”, afirmou João Arruda (MDB), na estreia do horário de propaganda eleitoral gratuita.

A Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic Nacional) começou a ser feita em janeiro de 2010 pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Os dados são coletados somente nas capitais e no Distrito Federal, sem ampliar a amostragem para o interior dos estados.

O Truco nos Estados – projeto de fact-checking da Agência Pública feito no Paraná em parceria com o Livre.jor – reconhece que os índices citados são verdadeiros, porém referem-se somente à realidade de Curitiba. Isso fez a afirmação ser classificada como descontextualizada.

Outro senão é que, sem números da década passada, não é possível estabelecer a comparação pretendida pelo candidato João Arruda (MDB). Não se sabe a flutuação do endividamento na capital do Paraná durante a gestão do tio dele, também do MDB, Roberto Requião (2003-2010).

E, por sorte ou azar, o tempo de realização da Peic Nacional majoritariamente coincide com os dois mandatos de Beto Richa (PSDB) no governo do Paraná – de 2011 a 2018. Nesse período, como veremos, o endividamento das famílias em Curitiba sempre beirou os 90%.

Para a capital, “quase 90%” está certo – Quem divulga mensalmente os dados sobre o endividamento na capital é a Federação do Comércio do Paraná. Segundo o relatório mais atualizado disponível, de julho deste ano, 87,8% das famílias curitibanas estavam endividadas.

Nas notas metodológicas, a Fecomércio explica que o percentual “refere-se ao número de famílias que possuem contas ou dívidas contraídas com cheques pré-datados, cartões de crédito, carnês de lojas, empréstimo pessoal, compra de imóvel e prestações de carro e de seguros”.

A pesquisa aferiu também que 29,8% das famílias tinham contas em atraso. 11,6% declararam não ter condições para pagar o que devem. Novamente, são números sobre a capital, não sobre o Paraná.

No relatório divulgado pela Federação do Comércio no estado, a palavra “Paraná” não aparece nenhuma vez. O gráfico principal da pesquisa, por sinal, compara “Curitiba” à “média das capitais”.

A confusão de termos, contudo, não é exclusividade da campanha. O próprio órgão que elaborou a pesquisa fala em “endividamento dos paranaenses” em notícia publicada mês passado – em vez de optar pela terminologia mais adequada, que seria falar de famílias em Curitiba.

A campanha de João Arruda, por sinal, cita como embasamento notícia da imprensa regional feita a partir dessa divulgação da Fecomércio.

Média de endividamento das capitais – Aliás, a média nacional de endividamento das famílias nas capitais é de 60,2%, conforme aponta o relatório nacional mais recente, também de julho, consolidado pela CNC. Na propaganda política, João Arruda fala em 56%.

Curitiba, capital dos endividados – A Federação de Comércio de São Paulo costuma publicar um relatório consolidado anual, a partir da Peic Nacional, no qual faz um ranking das capitais com mais famílias endividadas.

Em 2010, Curitiba era a 15ª capital no ranking de endividamento, com 63,99% das famílias endividadas.

No ano seguinte, a pesquisa já posicionou a capital no Paraná no topo do endividamento, com 90,30%. Posição que manteria em 2012 (88%), 2013 (87%), 2014 (89%), 2015 (87%) e 2016 (87%). No ano passado, de novo (87,9%).

Desempregado ou não, Ratinho foi vereador em Jandaia do Sul de 1977 a 1984
Ratinho Júnior - PSD
Desempregado ou não, Ratinho foi vereador em Jandaia do Sul de 1977 a 1984

Ratinho Júnior disse que pai se mudou para Curitiba por estar desempregado. Mas nos anos 1980 Câmaras do interior já pagavam vereadores

De cada três potenciais doadores no Paraná, um tem os órgãos destinados a transplante
Cida Borghetti - PP
De cada três potenciais doadores no Paraná, um tem os órgãos destinados a transplante

Paraná cumpriu a meta de doação de órgãos em 2016 e 2017. No ano passado, proporcionalmente à população, foi o melhor estado no ranking nacional

Geonísio erra ao afirmar que escolas militares dobraram Ideb de Roraima
Geonísio Marinho - PRTB
Geonísio erra ao afirmar que escolas militares dobraram Ideb de Roraima

Estado é uma das sete unidades da federação que teve queda no ensino médio no país

PR Candidatos - Paraná