Mesmo entre os maiores, Pará não lidera produção de energia

As hidrelétricas de Belo Monte e Tucuruí colocam o Pará na segunda posição em produção, atrás do estado de São Paulo.

Debate na Universidade Estadual do Pará Energia

Moisés Sarraf, Guilherme Guerreiro Neto
2 minutos

“O Pará está sendo o maior produtor de energia”, Paulo Rocha (PT), no debate organizado pelo Sindicato dos Docentes da Universidade do Estado do Pará (Sinduepa), no dia 3 de setembro.

O Pará, de fato, é um dos maiores produtores de energia elétrica do Brasil, mas não ocupa a liderança, como afirmou o candidato. A capacidade estadual aumentou nos últimos anos, deixando o Pará em segundo lugar no ranking da geração de energia, atrás de São Paulo, segundo os dados mais recentes da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Paulo Rocha (PT) foi um dos três candidatos a participar do primeiro debate da corrida eleitoral paraense (Foto: Aguinaldo Cabano).

Em 2016, o Pará foi a quarta maior capacidade instalada de geração de energia no Brasil, com 11.269 MW, segundo o Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2017, da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O estado abriga atualmente as hidrelétricas de Belo Monte (com capacidade de 11.233 MW) e a de Tucuruí (capacidade de 8.370 MW), que ficam atrás apenas da hidrelétrica de Itaipu (com capacidade de 14.000 MW). O maior produtor foi o estado do Paraná, gerando 17.758 MW.

Já segundo balanço atualizado no dia 12 de setembro de 2018, o estado alcançou uma produção de 17.441,8 MW, contribuindo em 10,89% da geração nacional. Segundo colocado no levantamento nacional, o Pará está atrás apenas do estado de São Paulo, que possui capacidade de 23.302 MW, cerca de 14,55% do que o Brasil produz. Os dados são do Banco de Informações de Geração (BIG) da Aneel.

Procurada sobre a fonte da informação, a assessoria de imprensa de Paulo Rocha encaminhou matéria publicada na página do Facebook do candidato no dia 8 de agosto. O texto afirma que o Pará é “um dos maiores produtores de energia do Brasil”, mas não cita a liderança do estado, nem aponta dados que embasem a declaração. Assim, o Truco nos Estados projeto de checagem de fatos da Agência Pública que no Pará é realizado em parceria com o Portal Outros400 atribui o selo ‘falso’ ao mencionado pelo candidato petista. O candidato do PT também subestimou a arrecadação de impostos sobre consumo de energia no mesmo debate, confira na outra checagem do Truco.

Com a chacina de Pau D’Arco, Pará liderou conflitos no campo em 2017
Cleber Rabelo - PSTU
Com a chacina de Pau D’Arco, Pará liderou conflitos no campo em 2017

Dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT) demonstram um histórico de violência decorrente de conflitos fundiários em solo paraense.

Sabatina Cultura: Cleber Rabelo erra ao citar o número de crianças fora da escola
Cleber Rabelo - PSTU
Sabatina Cultura: Cleber Rabelo erra ao citar o número de crianças fora da escola

São 71,1 mil matrículas em creches no estado, não 8 mil. O universo de crianças de 0 a 3 anos é de 509,7 mil, não 120 mil. Apenas 14% delas possuem acesso a creches.

Helder Barbalho diz que construiu o estádio municipal de Ananindeua, mas a obra nunca foi concluída
Helder Barbalho - MDB
Helder Barbalho diz que construiu o estádio municipal de Ananindeua, mas a obra nunca foi concluída

Em visita ao local em que teria sido construída a praça esportiva, na periferia de Ananindeua, o Truco nos Estados concluiu: o estádio citado por Helder nunca existiu.

PA Candidatos - Pará