Paraná gastou R$ 95 milhões em vacina da dengue vista com ressalvas por Anvisa e OMS
Elza Fiuza/ABr
REDE - Jorge Bernardi

Paraná gastou R$ 95 milhões em vacina da dengue vista com ressalvas por Anvisa e OMS

Apesar das restrições da OMS e da Anvisa à vacina, o Ministério Público do Paraná arquivou investigação sobre a compra. Disseram que não houve prejuízo visível à população

Gestão pública Saúde

Camila Abrão
3 minutos

“O Paraná gastou R$90 milhões em uma vacina contra a dengue que foi condenada pela Organização Mundial da Saúde e pela Anvisa”, afirmou Jorge Bernardi, candidato a governador da Rede Sustentabilidade, em debate realizado pela TV Transamérica em 27 de agosto.

Informações obtidas via Lei de acesso à Informação (LAI) confirmam que o governo do Paraná comprou 750 mil doses da vacina Dengvaxia, produzida pelo laboratório Sanofi. Foram gastos cerca de R$ 95 milhões, segundo a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (Sesa), o que significa 2,8% do orçamento anual da pasta.

A Organização Mundial da Saúde e a Anvisa alertaram, após o estado começar a aplicar a vacina, para o risco de pessoas que nunca tiveram a doença mas foram imunizadas desenvolverem uma variação mais agressiva da dengue, caso sejam contaminadas posteriormente pelo vírus.

Para a Anvisa, quem nunca teve contato com o vírus da dengue não deve tomar a vacina, uma vez que os estudos preliminares não foram conclusivos.

Por isso o Truco nos Estados, projeto de fact-checking da Agência Pública feito no Paraná em parceria com o Livre.jor, considera que o candidato acertou.

Campanha de vacinação – Mesmo com as ressalvas da OMS e da Anvisa, o governo paranaense decidiu seguir com campanha de imunização, iniciada em 2016. Até a quarta etapa realizada em junho de 2018, segundo a Sesa, foram aplicadas 679.968 doses da vacina. Um total de 308.918 pessoas foram vacinadas contra a dengue, das quais 144.545 receberam as três doses recomendadas.

A campanha foi direcionada aos 30 municípios endêmicos e epidêmicos.  “São cidades que concentram 83% dos casos confirmados, 91% dos casos graves e 87% das mortes por dengue do Estado. Que enfrentaram epidemias consecutivas, registraram alta circulação viral e grande magnitude de casos”, afirmou João Luis Gallego Crivellaro, diretor do Centro de Epidemiologia, via LAI.

A fabricante Sanofi, de acordo com Crivellaro, apresentou estudos que demonstram que a vacina não causa dengue, e que existe a possibilidade de 0,5% de uma pessoa que nunca teve a doença antes desenvolver formas mais graves após tomar a vacina.

Por isso, ele justificou, a campanha foi mantida mesmo após os alertas de Anvisa e OMS. A implementação da campanha custou R$ 1,4 milhão adicionais ao custo das vacinas. A soma foi gasta em divulgação.

O que dizem Anvisa e OMS – Quem vive em regiões em que a dengue é endêmica deve procurar um médico para avaliar os riscos e benefícios da imunização, recomenda a Anvisa.

A OMS, por sua vez, afirma que países que optarem por aplicar a vacina deveriam criar estratégias para imunizar apenas quem já foi infectado pelo vírus da dengue.

Para isso, a organização recomenda que sejam feitos testes para detectar anticorpos ou se consultem exames laboratoriais que tenham confirmado a doença.

Inquérito arquivado – De acordo com a assessoria de Jorge Bernardi, o candidato se baseou em investigação aberta no início de 2018 pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) sobre a campanha de vacinação.

Foi o promotor Marcello Paulo Maggio, da Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública, que conduziu o caso – e optou pelo arquivamento do inquérito.

Procurado pelo Truco nos Estados, o MP-PR disse que “o procedimento administrativo instaurado pela Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública de Curitiba foi arquivado após não ter sido constatado qualquer indício de irregularidade ou de impropriedade em seu uso [das vacinas]”.

O MP-PR considerou que a campanha teve o apoio do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, que houve monitoramento da Sesa junto às pessoas que já tomaram a vacina e que nenhuma reação grave foi detectada.

Para o MP houve “houve sensível e positiva redução do número de casos de morte pela doença posteriormente à campanha”.

Desempregado ou não, Ratinho foi vereador em Jandaia do Sul de 1977 a 1984
Ratinho Júnior - PSD
Desempregado ou não, Ratinho foi vereador em Jandaia do Sul de 1977 a 1984

Ratinho Júnior disse que pai se mudou para Curitiba por estar desempregado. Mas nos anos 1980 Câmaras do interior já pagavam vereadores

De cada três potenciais doadores no Paraná, um tem os órgãos destinados a transplante
Cida Borghetti - PP
De cada três potenciais doadores no Paraná, um tem os órgãos destinados a transplante

Paraná cumpriu a meta de doação de órgãos em 2016 e 2017. No ano passado, proporcionalmente à população, foi o melhor estado no ranking nacional

Geonísio erra ao afirmar que escolas militares dobraram Ideb de Roraima
Geonísio Marinho - PRTB
Geonísio erra ao afirmar que escolas militares dobraram Ideb de Roraima

Estado é uma das sete unidades da federação que teve queda no ensino médio no país

PR Candidatos - Paraná