Rossetto está certo: Rio Grande do Sul só perde para o Rio de Janeiro em número de chacinas

Postulante ao Palácio Piratini, petista destacou que o estado ficou atrás apenas do Rio de Janeiro em estatística sobre homicídios múltiplos

Segurança Pública Violência

Bruno Moraes
2 minutos

“O Rio Grande do Sul é o segundo estado do Brasil em chacinas. Perdemos para o Rio de Janeiro”, Miguel Rossetto (PT), em entrevista.

Em entrevista ao Jornal do Comércio, de Porto Alegre, publicada em 26 de agosto, o candidato do PT ao Palácio Piratini, Miguel Rossetto, tratou de temas relacionados à violência. O petista classificou como “desastrosa” a gestão de seu oponente, José Ivo Sartori (MDB), na área da segurança pública. Entre as justificativas para o posicionamento, Rossetto mencionou a quantidade de chacinas promovidas no Rio Grande do Sul.

O Truco nos Estados – projeto de checagem de fatos da Agência Pública, feito no Rio Grande do Sul em parceria com o Filtro Fact-checking – conferiu os dados mencionados por Rossetto e verificou que o petista tem razão. O Rio Grande do Sul só perde para o Rio de Janeiro na quantidade de chacinas, segundo os levantamento mais recentes sobre o tema.

Consultada sobre a fonte usada por Rossetto, a assessoria do candidato indicou uma matéria publicada pelo G1, que traz dados do 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O documento, produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, se baseia em estatísticas criminais de 2016. O 12º Anuário de Segurança Pública, relativo a 2017 e publicado em agosto deste ano, não contabilizou chacinas.

Naquele ano, o Rio Grande do Sul registrou 26 chacinas – homicídios múltiplos com três ou mais vítimas -, ficando atrás apenas do Rio de Janeiro, onde houve 41 ocorrências. O levantamento mostra um aumento no estado de 73,3% em relação a 2015, quando ocorreram 15 casos.

Nos estados de Alagoas, Ceará, Paraná e São Paulo foram contabilizadas 12 chacinas em 2016.

Considerando a quantidade de vítimas, o RS também ficou em segundo lugar, novamente atrás do RJ. Em 2016, 90 pessoas foram mortas em chacinas no Rio Grande do Sul, contra 136 no Rio de Janeiro. O aumento, no Rio Grande do Sul, foi de 80% de 2015 para 2016.

Completam a lista dos cinco primeiros os estados de São Paulo (43 vítimas), Paraná (39) e Alagoas (36).

Eduardo Leite acerta: plano de recuperação fiscal aumenta dívida do RS
Eduardo Leite - PSDB
Eduardo Leite acerta: plano de recuperação fiscal aumenta dívida do RS

Em debate na Federasul, tucano ressaltou que os R$ 11 bilhões que podem deixar de ser pagos à União por três anos terão de ser quitados no futuro, acrescidos de juros. Ainda assim, o ex-prefeito de Pelotas afirma ser favorável à medida

Acordo pode deixar R$ 11 bi no RS, mas valor será cobrado com juros
José Ivo Sartori - MDB
Acordo pode deixar R$ 11 bi no RS, mas valor será cobrado com juros

Em programa de TV, José Ivo Sartori (MDB) defende regime de recuperação fiscal para desafogar os cofres públicos, porém ignora que o valor é uma estimativa – e terá de ser pago com juros mais tarde

RS Boato
Bandeira LGBT não substituiu a do Brasil em escola de Pelotas, como diz corrente
Bandeira LGBT não substituiu a do Brasil em escola de Pelotas, como diz corrente

Texto compartilhado por WhatsApp e Facebook afirma que bandeira do Brasil foi substituída por símbolo LGBT. Hasteamento, de fato, ocorreu durante atividades de conscientização contra a homofobia, mas não houve uma troca de bandeiras

RS Candidatos - Rio Grande do Sul