Produção de nióbio em Minas Gerais não é caixa-preta
Divulgação CBMM
AVANTE - Claudiney Dulim

Produção de nióbio em Minas Gerais não é caixa-preta

Candidato diz que nióbio é caixa-preta, mas Truco obteve os dados e explica como funciona e quanto gera a produção da substânca

Contas Públicas Desenvolvimento Mineração

Bruno Fonseca, Alexandre Policarpo
3 minutos

“Nós temos a extração do nióbio em Araxá que é uma caixa-preta: a gente não sabe exatamente o quanto que se extrai de nióbio lá, o quanto que se cobra desse nióbio, o quanto que é repassado ao estado… Não tem clareza nesses números”, Claudiney Dulim, candidato a governador de Minas Gerais pelo Avante, em entrevista à Rádio Super Notícia.

Em uma série de questionamentos sobre a produção de nióbio em Araxá, na região do Triângulo Mineiro, Claudiney derrapa nas afirmações: é possível saber exatamente quanto foi produzido de nióbio, ao contrário do que afirma o candidato. Também é possível saber o que é cobrado sobre essa produção e o que é repassado ao estado.

Por isso, o Truco — projeto de checagem da Agência Pública — classificou a afirmação do candidato como falsa.

O Truco entrou em contato com a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM). Ela é a empresa privada que faz a produção do nióbio em Araxá: produção porque o nióbio não é extraído como o minério de ferro, por exemplo.

Acontece assim: o minério de pirocloro é extraído da mina em Araxá. A CBMM transforma esse minério, através de uma série de processos, em outros produtos, o principal deles, o ferronióbio, que é uma liga de ferro e nióbio usada na fabricação de aço de alta resistência para automóveis, viadutos, pontes, tubulações de gás, edifícios e plataformas marítimas.

Em 2017, segundo dados da CBMM, foram lavradas cerca de 3 milhões toneladas de minério de pirocloro. Esse minério foi beneficiado e gerou aproximadamente 72 mil toneladas de produtos de nióbio (ferronióbio e outros produtos especiais).

A “dona” da jazida, a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), do governo estadual, faz parte de uma sociedade de gestão compartilhada com a CBMM, a chamada Comipa. Através da Comipa, a Codemig recebe 25% de todo o resultado das vendas da sociedade. Segundo a CBMM, esse valor está em torno de R$ 600 milhões por ano, que representam 92% do faturamento da Codemig.

Além desses recursos que vêm a partir das vendas da CBMM, a produção de nióbio também gera Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, o ICMS, seja através dos materiais e insumos que a CBMM compra e é taxada, seja através da venda dos próprios produtos do nióbio.

Em 2017, a CBMM gerou cerca de R$ 12,3 milhões em ICMS para o estado de Minas pela compra de materiais e insumos para o processo de produção do nióbio. Esse valor inclui compras dentro do estado e também as realizadas em outros estado com alíquotas menores, pois, nesse caso, a diferença entre as alíquotas é cobrada no estado que é o destino final dos produtos, ou seja, em Minas Gerais.

Além disso, a CBMM pagou cerca de R$ 42 milhões de ICMS que podem ser compensados por se estarem diretamente ligados à exportação. Essa compensação segue a “Lei Kandir”, como é chamada a Lei Complementar 87/1996 . Ela isenta a cobrança do ICMS sobre o que é exportado. Cerca de 96% do que a CBMM produz é exportado.

Por fim, toda atividade de mineração também gera royalties através da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais, a CFEM. Em 2017, a extração do pirocloro em Araxá gerou cerca de R$ 4,9 milhões de royalties. Esse recurso é recolhido pela União que, após reunir toda a arrecadação com mineração no país, o redistribui entre estados e municípios e pode ser utilizada em obras de infra-estrutura, ações ambientais, na saúde e na educação, por exemplo. Em 2017, Araxá recebeu cerca de R$ 7 milhões da CFEM.

A assessoria do candidato não respondeu até a publicação desta checagem.

MG Boato
Site contra ‘fake news’ mentiu: obras do hospital de Divinópolis não foram paralisadas por Anastasia
Site contra ‘fake news’ mentiu: obras do hospital de Divinópolis não foram paralisadas por Anastasia

Hospital, que deveria ter sido entregue em 2012, teve “ritmo lento” durante início do governo de Pimentel até ser paralisada

Errado, Anastasia: Obras de hospital em Divinópolis seguiram até 2016
Antonio Anastasia - PSDB
Errado, Anastasia: Obras de hospital em Divinópolis seguiram até 2016

Construção foi interrompida após Prefeitura de Divinópolis alegar falta de repasse de verbas, durante o segundo mandato do atual governador Fernando Pimentel

MG Candidatos - Minas Gerais

Vice candidatos